Comissão de Saúde pedirá providências para prevenir contágio de doenças na Penitenciária Feminina

por welyton — publicado 27/02/2019 13h55, última modificação 28/02/2019 12h50
Em visita ao local, Rosane Bonho, presidente da Comissão ainda sugeriu a ampliação dos espaços de trabalho das detentas para reduzir a ociosidade

Nesta quarta-feira (27) uma equipe liderada pela Presidente da Comissão de Saúde, vereadora Rosane Bonho (PP), visitou a Penitenciária Feminina de Foz do Iguaçu, anexa a Cadeia Pública Laudemir Neves. O objetivo foi verificar as condições das internas após informação da falta do serviço de enfermagem obrigatório para controle de doenças e prevenção aos surtos (doenças contagiosas). O grupo também estava formado pela representante da Secretaria Extraordinária de Direitos Humanos, professora Marcia Bachixte; o assessor parlamentar Ricardo Ribeiro, representando a vereadora Nanci Rafagnin Andreola (PDT); as servidoras da Câmara Municipal, Daniela Rios Veloso e Cristina Ito de Lima, representando o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e Mara Baran, Presidente do Conselho. 

Serviços de saúde

Na ocasião, o grupo participou de uma reunião com a direção da penitenciária e discutiu as demandas urgentes para o atendimento às mulheres, principalmente na área da saúde. “Eu fui procurada por integrantes do Conselho da Mulher que me repassaram a urgente demanda da falta de enfermeiros para a Penitenciária. Até outubro havia uma profissional, mas ela foi transferida e até o presente momento ainda não foi substituída. ”, disse a vereadora.

A parlamentar ainda ressaltou que o profissional de enfermagem é a pessoa responsável por prestar o atendimento inicial das detentas e verificar as condições de saúde em que elas chegam. “Sem esse profissional, esse atendimento não está sendo feito. Esse enfermeiro faz a coleta de sangue e outros materiais para uma série de exames. Sem isso, não é possível saber o estado em que as internas se encontram, o que gera um sério risco de contaminação de doenças, tanto para as elas, como para agentes de segurança e os familiares”, apontou.

De acordo com a vereadora, a direção informou que algumas providências estão sendo tomadas. “Com essa visita, pretendemos encaminhar essa informação para o Executivo e para o Governo do Estado para que tudo seja resolvido com rapidez. Hoje, há um médico que faz o atendimento uma vez por semana, mas o serviço de enfermagem é fundamental também”, argumentou.

Rosane Bonho pontuou ainda a falta de colchões para as internas. Atualmente a penitenciária comporta 240 detentas, tendo uma necessidade urgente de 20 novos colchões. “Por enquanto a necessidade é de 20 colchões, mas a demanda logo vai aumentar para 50. A situação não é favorável, e por isso estamos aqui para ajudar. ”, argumentou Rosane. A instalação de bebedouro é outra necessidade, visto que no calor elas tomam água na temperatura ambiente.  

Trabalho e produtividade na unidade prisional

A Penitenciária Feminina de Foz do Iguaçu se enquadra na categoria de Unidade de Progressão, que oferece para as detentas a oportunidade de trabalhar e estudar em período integral. Para oferecer mais oportunidades de trabalho e reduzir os períodos ociosos, Rosane Bonho sugeriu a instalação de novas atividades. “Estivemos no barracão onde elas trabalham e realizam as atividades como corte e costura. Verificamos que o espaço pode ser muito ampliado para novas atividades, como a instalação de uma máquina de fraldas, onde elas podem produzir esse material para os hospitais”, sugeriu Rosane.

“Após essa visita, vamos levar todas as reivindicações para a Secretaria e para o Prefeito. Estaremos conversando sobre os assuntos e fortalecendo esse grupo que veio até aqui para que possamos contribuir de forma mais direta para resolver esses problemas. ”, finalizou Marcia Bachixte.

error while rendering plone.comments